A Europa "precisa mudar de marcha". Embora, para usar outra metáfora, seria melhor dizer que ela deve mudar para carros sem marchas. Ou, para ser ainda mais preciso, para carros elétricos. O apelo vem do Tribunal de Contas da União Europeia (TCE), que publicou um relatório bastante preocupante sobre o CO2 dos veículos no Velho Continente.

Relatada pelo AutoBlog, a análise dá o alerta: nos últimos 12 anos, as emissões totais de carros novos praticamente não diminuíram. "A revolução verde da UE só pode acontecer se houver muito menos veículos poluentes, mas o desafio é enorme", alerta Pietro Russo, membro da ECA responsável pelo estudo.

Teste de emissões de CO2

Apenas os elétricos ajudaram

Em detalhes, as emissões dos carros a diesel permaneceram mais ou menos constantes, enquanto as dos carros a gasolina caíram ligeiramente: apenas 4,6%. Por que isso aconteceu? Uma pergunta que merece ser feita, dado o constante aperto de CO2 que a Europa está exigindo dos fabricantes.

A resposta pode ser encontrada nas páginas do relatório, que fala de aumentos na massa do veículo (+10%) e na potência (+25%), o que compensa as medidas de repressão às emissões. A solução? Mudar para carros elétricos movidos a bateria.

"Somenteos veículos elétricos (que passaram de 1 em cada 100 novos registros em 2018 para quase 1 em cada 7 em 2022) contribuíram para a redução das emissões médias de CO2 nas estradas observadas nos últimos anos", diz o relatório em preto e branco.

"Uma redução real e tangível nas emissões de CO2 dos carros", acrescenta Russo, "não ocorrerá enquanto o motor de combustão precer, mas a eletrificação da frota de carros na UE é, ao mesmo tempo, uma tarefa difícil".

Teste de emissões de CO2

Mas o EPP ainda diz "não

Enquanto isso, a batalha contra o fim da gasolina e do diesel a partir de 2035 continua. É o Partido Popular Europeu (PPE) que está jogando mais gasolina no fogo. E a ocasião surge em vista da chamada às urnas para a renovação do Europarlamento, com a força de centro-direita relançando em seu programa eleitoral, interceptado e publicado pelo Euractiv:

"Rejeitamos políticas de proibição - como a dos motores de combustão - que revisaremos o mais rápido possível".

Enquanto as lideranças europeias dividem forças pró e contra a proibição definitiva dos motores a combustão, o mercado vai seguindo a sua própria dinâmica, com as vendas de carros elétricos avançando forte em alguns países e de forma mais lenta em outros, em função das condições locais, políticas de incentivo, renda e outras peculiaridades.