À medida que a notícia da venda pela Hertz de Teslas anteriormente alugados começa a circular, a gigante do aluguel também anunciou discretamente que está aumento o tamanho da frota de veículos a combustão para o futuro. A empresa diz que está "reequilibrando" os números em suas frotas, o que significa vender um terço de sua frota de veículos elétricos e substituir esses carros por modelos a gasolina.

De acordo com o Automotive News, a Hertz disse que espera vender 20.000 carros em seu estoque de veículos elétricos, e esse processo já começou no mês passado. O caixa gerado com as vendas de sua frota de veículos elétricos será injetado de volta para atender à demanda por veículos a combustão.

Isso vem na esteira do anúncio da Hertz em outubro de que reduziria suas operações de veículos elétricos, citando altos custos de reparo e valor residual reduzido em comparação com o resto de seus veículos como razões pelas quais suas operações de aluguel de veículos elétricos não estavam indo tão bem.

Galeria: Tom Brady apresenta o Tesla Model 3 da Hertz

Para alguns especialistas anti-EV, a Hertz está recebendo o que merece. Para eles, a Hertz investiu demais em uma tecnologia que não é comprovada, pronta ou desejada pelos consumidores. Agora tem que pagar a conta por comprar uma enorme frota de carros que ninguém queria.

Mas será que é isso mesmo?

É verdade que o crescimento da demanda por veículos elétricos tem sido um pouco mais suave ultimamente do que muitos esperavam, mas essa informação provavelmente é irrelevante para os problemas da Hertz. A Hertz afirmou que 80% de seus EVs são Teslas, e embora a Hertz diga que os EVs vêm com custos de reparo mais altos, não podemos deixar de nos perguntar: isso é culpa dos carros elétricos em geral ou dos carros elétricos da Tesla?

A Hertz alegou que os custos de danos e colisões são altos para seus aluguéis de veículos elétricos. Dados os custos de seguro mais altos do que a média da Tesla e os tempos de reparo notoriamente longos e caros, quase parece que o conceito de custos de operação e reparo de veículos elétricos foi confundido como sendo uma coisa de EV, em vez de um problema mais específico da Tesla. (A Hertz não respondeu a um pedido de comentário do InsideEVs.)

Incentivos afetaram valor de revenda

Além disso, pouco depois de começar a comprar Teslas, os cortes de preços, bem como a reintrodução do novo crédito fiscal de US$ 7.500 para veículos elétricos, fizeram com que o Model 3 e o Model Y se tornassem dramaticamente mais baratos. Às vezes, literalmente da noite para o dia.

Esses carros se acomodaram na faixa de US$ 30.000 e US$ 40.000, respectivamente. Isso pode ser bom para os consumidores em busca de um negócio, mas teve o efeito de prejudicar o valor de revenda. A Hertz efetivamente pagou a mais por veículos que não seria capaz de obter tanto retorno quando chegasse a hora de serem vendidos, e as revendas são uma enorme fonte de receita para as locadoras.

Parceria Hertz-Polestar

Outras montadoras podem ter reduzido os preços, mas nenhuma tão drasticamente e com carta branca quanto a Tesla. Esses problemas não estão afetando apenas as empresas de aluguel, já que os proprietários da Tesla alegaram abertamente e em voz alta que os valores residuais reduzidos devido aos cortes de preços prejudicaram fortemente seu valor de revenda. 

Mas, novamente, isso é mais um problema da Tesla do que um problema de veículos elétricos. A locadora de carros Sixt parece reconhecer isso, ainda planeja eletrificar 90% de sua frota de aluguel, mas está se afastando da Tesla por motivos semelhantes aos da Hertz.

(Vale a pena notar que, embora a maior parte da frota de veículos elétricos da Hertz seja – ou fosse – composta por Teslas, ela também comprou uma quantidade substancial de Polestar 2. Não está claro se esses carros sofreram com os mesmos problemas de custo de reparo, embora saibamos que eles tendiam a ter baixos valores de revenda também.)

Tesla Model 3 in Hertz EV fleet

Por fim, vale a pena destacar que a Hertz e outras locadoras de veículos não acertaram exatamente a parte de experiência e educação para mobilidade elétrica. Não é difícil encontrar um consumidor que alugou um EV da Hertz e encontrou um mau atendimento ao cliente, foi surpreendido com um EV e nenhuma explicação sobre como ele funciona, ou recebeu qualquer instrução sobre como e onde carregar. 

Puxa, aluguei um Kia EV6 da Hertz em abril passado em Phoenix. A experiência foi das melhores; Me deram um carro com 50% de carga, apesar da reserva afirmar que o carro estaria ao menos próximo de 100%. Precisava ir para Tuscon, a cerca de duas horas de distância, e não tinha planejado ou pesquisado on-line onde poderia fazer uma carga rápida DC perto do aeroporto de Phoenix. Não é legal tentar encontrar um carregador rápido DC acessível em uma cidade desconhecida quando você está em uma crise de tempo.

Como trabalho nessa área, então talvez seja naturalmente mais propenso a sofrer do que um motorista normal. No entanto, não pude evitar que essa experiência pudesse fazer com que o locatário médio odiasse os veículos elétricos.

Ainda assim, uma redução na frota de veículos elétricos não significa que a Hertz está eliminando totalmente sua frota. Espero que a Hertz tenha aprendido uma lição aqui, e uma experiência de aluguel de veículos elétricos menor e mais simplificada preça.

Por outro lado, o expurgo de 20.000 carros elétricos das frotas da Hertz significa que os acordos de EV usados podem ser a bola da vez em 2024. Esses Teslas de três anos de US$ 20 mil podem ser a regra, não a exceção.