As baterias de estado sólido são um dos temas mais quentes dos últimos meses e muitos estão esperando uma revolução. Ontem, por exemplo, falamos sobre a Honda, que quer produzir um carro econômico e acha que só conseguirá fazer isso quando houver um avanço na tecnologia de baterias, ou seja, quando as baterias de estado sólido se tornarem realidade. A Nissan e a Toyota planejam colocá-lo em produção em 2028.

No entanto, há quem acredite que as baterias de íons de lítio, nesse meio tempo, fizeram um progresso tão significativo que ainda têm um futuro promissor. De acordo com Markus Schäfer, diretor de tecnologia da Mercedes-Benz, os aprimoramentos na densidade de energia das baterias de íon-lítio foram "inesperados", a ponto de elas poderem acabar "batendo de frente" com as baterias de estado sólido em termos de custo e densidade de energia.

Galeria: Mercedes-Benz EQS Produção

Dúvidas da Mercedes

A tecnologia de bateria de estado sólido "pode não ser necessária" para os futuros carros elétricos devido aos desenvolvimentos nas baterias de íon-lítio.

A tecnologia de baterias de estado sólido é vista por muitos como promissora devido à sua densidade de energia supostamente melhor e, portanto, aos custos mais baixos. No entanto, Schäfer diz que não vê uma "vantagem tão grande em termos de custo ou energia" porque "muitas pessoas trabalharam em células convencionais e as tornaram muito melhores".

O diretor de tecnologia da Mercedes-Benz admite que a tecnologia de estado sólido tem uma vantagem em termos de segurança, mas continua dizendo que também espera muito da tecnologia de lítio. Para ele, as duas tecnologias estão em "uma corrida paralela", cujo vencedor é desconhecido. Isso não quer dizer que a Mercedes não tenha investido em startups que desenvolvem essa tecnologia, pelo contrário, essas empresas existem, tanto nos EUA quanto na Coreia, e ele continua acompanhando o desenvolvimento dessa tecnologia com interesse.

Carregamento ultrarrápido também foi rejeitado

As "previsões muito otimistas de algum tempo atrás" sobre a possível disseminação da tecnologia de baterias de estado sólido "me lembram um pouco as previsões sobre a direção autônoma", disse Schäfer, referindo-se ao fato de que isso foi adiado e que o setor reduziu suas projeções de implantação. 

Schäfer também descartou o carregamento ultrarrápido como um método de colocar baterias menores em carros elétricos, porque a ansiedade em relação à autonomia ainda prece entre os compradores, que ainda pensam no pior cenário possível em vez do uso diário típico. "Eles pensam na única viagem que precisam fazer todo ano [que exige uma autonomia maior] e isso não é racional. As pessoas só pensam em sua viagem de inverno para esquiar ou em sua viagem de verão para a Itália", disse ele.