O CEO da Toyota, Akio Toyoda, que também é presidente da associação de fabricantes de automóveis do Japão, não está feliz com a pressão centrada nos veículos elétricos do governo japonês para a neutralidade de carbono.

O executivo disse que migrar totalmente para os carros elétricos pode custar ao Japão 5,5 milhões de empregos e 8 milhões de unidades de veículos que deixariam de ser produzidos até 2030. Em uma reunião da Associação de Fabricantes de Automóveis do Japão (JAMA), onde se juntou a executivos de topo da Honda, Yamaha, e Isuzu, Toyoda advertiu que os objetivos de manufatura verde excessivamente zelosa promovida pelas autoridades japonesas inspiradas na Europa são insustentáveis.

Galeria: Toyota Aqua 2022

O governo tem como objetivo reduzir as emissões de gases de efeito estufa do Japão até 2030 e alcançar a neutralidade de carbono até 2050 adotando exclusivamente carros elétricos. No entanto, o CEO da Toyota acredita que o roteiro deve levar em conta a realidade de que a força vital da economia japonesa vem da manufatura.

Uma mudança repentina para carros elétricos poderia minar a base industrial do Japão, argumenta Toyoda, então ele propõe uma abordagem mais ampla para a redução de carbono.

"O Japão é um país que depende das exportações. Portanto, a neutralidade de carbono é equivalente a uma questão de emprego para o Japão. Alguns políticos estão dizendo que precisamos transformar todos os carros em elétricos ou que a indústria de manufatura é antiquada. Acho que é esse o caso. Para proteger os empregos e a vida dos japoneses, acho que é necessário alinhar nosso futuro com nossos esforços até agora."

Akio Toyoda preside a conferência de imprensa do JAMA 9 de setembro 2

O executivo lembrou que as montadoras japonesas produzem localmente cerca de 10 milhões de veículos por ano, dos quais cerca da metade são exportados. Ele citou previsões que projetam que até 2030, as fábricas nacionais ainda estarão produzindo 8 milhões de veículos por ano equipados com motores de combustão, incluindo híbridos e híbridos plug-in. 

Assim que esses veículos forem proibidos, as montadoras sofrerão um grande golpe, disse Toyoda, deixando as empresas com uma decisão difícil: enviar a produção desses veículos para o exterior ou encerrá-la completamente.

Toyota bZ4X - SUV elétrico - frente

Na hora de oferecer soluções, Akio Toyoda defende que o caminho para a neutralidade do carbono deve ser adaptado às condições de cada país. Mais especificamente, deveria haver mais liberdade nas tecnologias usadas para chegar lá, desde que o resultado seja o mesmo: uma redução geral nas emissões de carbono.

"Para atingir a neutralidade de carbono, o inimigo é o dióxido de carbono, não a combustão interna. Para reduzir as emissões de dióxido de carbono, é necessário ter iniciativas práticas e sustentáveis ​​que estejam de acordo com as diferentes situações nos vários países e regiões".

Toyota Mirai: primeiras impressões

Sem surpresa, Toyoda diz que os veículos híbridos ainda têm contribuições significativas a fazer para a neutralidade de carbono, embora sejam equipados com motores de combustão interna. Isso porque os híbridos são mais acessíveis do que os veículos elétricos e podem penetrar em mercados onde a infraestrutura de carregamento não existe.

Além disso, as melhorias técnicas estão tornando os híbridos mais limpos a cada ano. Ao mesmo tempo, os híbridos podem ser usados ​​como uma tecnologia de ponte para carros elétricos e emissões zero, ajudando a diminuir o impacto nas atividades de fornecimento de peças para motores e transmissões.

Siga o boin8 no Twitter

Siga o boin8 no Facebook

Siga o boin8 no Instagram