O fato de que o estilo de direção influencia a autonomia é óbvio para qualquer veículo, mas é particularmente verdadeiro para os veículos elétricos e híbridos: uma direção descuidada ou muito agressiva, com aceleração desnecessária e frenagem igualmente repentina e decisiva, pode, na verdade, ser responsável pela redução da autonomia duas vezes, ou seja, não apenas pelo excesso de energia gasta, mas também pela falta de regeneração.

Nos carros elétricos, de fato, a capacidade de armazenar parte da energia consumida na desaceleração e na frenagem para se deslocar é particularmente importante porque, em condições ideais, essa recuperação representa quase um terço do trajeto realmente percorrido com uma carga completa. E, embora os fabricantes geralmente não especifiquem isso, o valor declarado da autonomia também leva esse fator em consideração.

Como funciona

A regeneração de energia é obtida simplesmente invertendo a operação do trem de força eletricamente: quando você tira o pé do pedal ou freia levemente, em vez de converter a corrente em movimento, o motor "vira" um alternador e reconverte a energia cinética em corrente elétrica. Por esse motivo, o sistema de frenagem de um carro elétrico funciona de forma um pouco diferente do sistema de um carro convencional: na primeira fase de liberação ou no caso de uma frenagem leve, ele deixa o sistema elétrico fazer o trabalho, enquanto que, se a pressão no pedal se tornar mais forte, ele aciona os freios convencionais.

Em um ciclo operacional normal, teoricamente seria possível recuperar quase 40% da energia, mas, até o momento, a média é de pouco mais da metade desse número. Ao apresentar o Audi e-tron, a empresa alegou ter desenvolvido o sistema mais eficiente nesse aspecto atualmente, o que permite que o veículo elétrico alemão percorra mais de 400 km com uma carga, dos quais mais de 120 km seriam fornecidos pela energia regenerada.

Quanto você recupera com a frenagem regenerativa

Alguns truques necessários

Naturalmente, isso pressupõe um estilo de direção que acompanhe o funcionamento e as aptidões específicas do carro, favorecendo a eficiência. Em outras palavras, um estilo de direção atento às condições da estrada e do tráfego, que antecipe as paradas soltando o acelerador e deixando o carro funcionar, dando ao sistema de recuperação tempo e espaço para trabalhar da melhor forma possível e limitando ao máximo o uso dos freios na última fase, a da parada propriamente dita.

Quanto você recupera com a frenagem regenerativa

Para facilitar a vida dos usuários, a Audi, assim como seus rivais da Mercedes-Benz para o EQC, desenvolveu um sistema que permite gerenciar a intensidade da desaceleração usando os controles no volante, um pouco como se você estivesse realmente operando uma caixa de câmbio (que não existe), ou seja, "reduzindo a marcha" para intensificar a resistência elétrica e, portanto, o freio motor e "aumentando a marcha" para diminuí-la e fazer o carro deslizar melhor. Dessa forma, de acordo com os engenheiros alemães, cerca de 90% das desacelerações poderiam ser realizadas sem tocar nos freios.

Quanto você recupera com a frenagem regenerativa

O efeito do e-PedaldoNissan Leaf é semelhante, pois permite que a aceleração e a desaceleração sejam controladas apenas com o acelerador: de acordo com essa lógica, o freio também só deve ser usado para parar o carro.

Frenagem regenerativa não é prerrogativa apenas de carros elétricos e híbridos, mas também existe em carros convencionais: nos últimos quinze anos, aproximadamente, no interesse da economia de combustível, cada vez mais modelos têm sido equipados com a chamada "frenagem regenerativa". Na realidade, isso é apenas um artifício para gerenciar de forma inteligente o alternador, que é desconectado durante a aceleração para aliviar o motor do esforço de acioná-lo e ativado durante a desaceleração e a frenagem ou em velocidade constante.

Quanto você recupera com a frenagem regenerativa

Máxima eficiência com a condução autônoma

A otimização do consumo é um dos benefícios secundários que, segundo os próprios fabricantes, poderá ser alcançado em breve graças à direção autônoma. Mesmo hoje, sistemas como o Car-to-X, introduzido pela própria Audi nos EUA, antecipam essa evolução graças à possibilidade de fazer o carro se comunicar com infraestruturas inteligentes, como semáforos equipados com essa tecnologia específica.

Esses semáforos podem, de fato, transmitir um "timing" para os carros, informando quanto tempo resta antes que eles passem do verde para o vermelho e vice-versa. Hoje, isso significa ajudar os motoristas a evitar acelerações desnecessárias e frenagens perigosas, mas, no futuro, a sincronização entre os carros e a infraestrutura permitirá que a inteligência artificial gerencie os fluxos de energia, otimizando até a última gota.

Galeria: Quanto recupera a frenagem regenerativa?